GayLatino recomenda cuidados especiais a pessoas LGBTI+ que sejam vulneráveis ante o COVID-19

06/04/2020

A doença do COVID-19 originou-se em dezembro de 2019 e é causada por um novo coronavírus. Tem muitas medidas que avaliar para melhorar a saúde, tanto física como mental e cuidar do bem-estar das pessoas LGBTI+ mais vulneráveis.

A doença do COVID-19 manifesta-se como uma gripe forte. Os sintomas mais comuns são febre, cansaço, tosse seca, dificuldade para respirar. Também podem apresentar-se dores, congestionamento nasal, rinorreia, dor de garganta ou diarreia. Algumas diferenças entre esta nova doença e a gripe é que o COVID-19 é particularmente muito contagioso.

Ficar em casa

Ao ser o COVID-19 uma doença contagiosa, o distanciamento social é chave. Porém, isto não é uma realidad para a maioria da população LGBTI+, especialmente para as mulheres trans. É importante exigir aos governos políticas sociais que incluam moradia. Mas não somente os governos devem agir. Os membros da comunidade que estiverem em alguma situação de privilégio devem agir apoiando às organizações que oferecem ajuda às pessoas LGBTI+ em extrema pobreza e moradoras de rua. Estás pessoas, especialmente as mulheres trans, devido à violência, à falta de acesso a direitos básicos como moradia, trabalho e educação são as verdadeiramente mais vulneráveis ao coronavírus. As pessoas que possam permanecer nos seus lares não somente deverão guardar a quarentena, mas também deverão ajudar à aqueles que não puderem.

Recomendações para a quarentena:

Certificar-se de ter suficiente abastecimento de medicamentos para ao menos 30 dias. A esse respeito, cabe mencionar que não tem evidência conclusiva de que as pessoas com HIV sejam mais vulneráveis ao novo COVID-19. Porém, é importante exigir aos governos o fornecimento de antirretrovirais, camisinhas, PrEP e PEP durante a quarentena.

Manter vacinas em dia, especialmente vacinas contra a influenza e antineumocócicas.

É uma boa ideia ter guardados alimentos, produtos de limpeza e tudo o que for necessário para a casa para ao menos 15 dias.

Apoiar organizações ou ativistas que estiverem ajudando às pessoas LGBTI+ moradores de rua e em pobreza, especialmente mulheres trans.

Que acontece com o sexo?

Devido à maneira em que o vírus está sendo contagiado, o sexo é uma atividade de alto risco, especialmente se for praticada com vários parceiros. Isto acontece porque durante o sexo sao intercambiados fluidos como a saliva, suor e esperma. Uma medida de prevenção é reduzir o número de parceiros sexuais: se costuma assistir a festas ou saunas, é importante suspender essas atividades enquanto dure a quarentena, isto aplica também se estiver num relacionamento aberto e se tiver parceiros casuais. Se estiver num relacionamento monogâmico e ambos encontram-se em quarentena e saudáveis, não existe risco na atividade sexual. Porém, assim que começar a mostrar sintomas, ou si o parceiro estiver contagiado, é importante suspender a atividade sexual, pelo menos em 14 dias.

As precauções a ser tomadas

  • Evitar contato próximos com pessoas (não menos de 2 metros).
  • Lavar-se as mãos com água e sabão durante ao menos 20 segundos.
  • Evitar tocar os olhos, nariz e boca.
  • Não é necessário utilizar máscaras se não tiver COVID-19. Somente é útil para evitar o contágio no caso de ter contraído a doença.
  • A vacina contra a gripe pode ajudar. Os idosos podem considerar vacinar-se contra a pneumonia.
  • Ao tossir, cobrir-se com os cotovelos e não com as mãos.
  • É importante ficar em casa.
  • Neste link encontra-se informação de onde acudir na América Latina, país por país, no caso de suspeitas de COVID-19. Para acompanhar os dados sobre a pandemia do Coronavirus no Brasil: https://covid.saude.gov.br/

A nossa saúde mental é muito importante.

Não devemos deixar de lado a nossa saúde mental sob nenhum conceito. É importante fazer exercícios todos os dias em nossas casas e evitar especialmente a infoxicação. Recomendamos selecionar poucas fontes de informação, não estar pendentes constantemente das conversas em redes sociais sobre o novo coronavírus, desligar os jornais. É melhor informar-se pela manhã ou pela tarde, nunca de noite nem antes de dormir.

Aproveitar este tempo para trabalhar em algum projeto adiado, cozinhar, ler, estudar, ouvir música, assistir filmes ou séries. É importante manter uma rotina, boa higiene, exercícios, ocupações e sonhos adequados. O isolamento pode afetar a saúde, por isso é importante ligar aos parentes e amigos todos os dias, aproveitar as ferramentas tecnológicas para realizar chamadas de vídeo e/ou bate-papo com outras pessoas diariamente. É importante manter o contato com colegas de trabalho e especialmente vizinhos, ante qualquer situação.

Se tiver ataques de pânico, sintomas de depressão ou ansiedade, pode considerar-se pedir ajuda psicológica. Na região diferentes grêmios e profissionais estão providenciando atendimento psicológico gratuito: é importante acudir e pedir ajuda.

Desde GayLatino instamos aos governos de toda América Latina a garantir plenamente os direitos humanos de todas as pessoas LGBTI+ durante a quarentena pelo COVID-19, especialmente as mais vulneráveis por estar morando nas ruas, em pobreza, violência e maior discriminação. Também aproveitamos para chamar a toda a comunidade LGBTI+ para trabalhar em conjunto e contribuir em solidariedade ao bem-estar dos membros mais vulneráveis nesta pandemia: as mulheres trans.