EQUADOR


Equador Está localizado na parte noroeste da América do Sul, limitando ao norte com Colômbia, ao Sul e oriente com o Pedro. Ao oeste tem costas no oceano Pacífico. Equador possui quatro regiões naturais: Costa, Serra (inteira-andina), Oriental (Amazônica) e Insular (Galápagos).

A capital é Quito, Primeira cidade declarada patrimônio cultural pela Unesco em 1978. É uma república presidencialista.

Conta com uma população de 17.096.789 habitantes (2018), no total, o 50,02% corresponde a mulher e um 49,98% a homens. A população jovem entre 18 e 29 anos corresponde ao 21% do total da população, ou seja aproximadamente 3.043.513 jovens, com uma densidade populacional de 65 habitantes por quilômetro quadrado km qua

total, el 50,02% corresponde a mujeres y un 49,98% a hombres. La población joven entre 18 y 29 años corresponde al 21% del total de la población, es decir aproximadamente 3.043.513 jovenes, com una densidad poblacional de 65 habitantes por km2.


A nível oficial e assisti um estudo sobre a situação da população LGBT realizado pelo Instituto Nacional de Estatística e Censos. Para acessar clique aquí.

Equador conta com algumas regulações que protegem a comunidade LGBTI+

A Constituição de equador aprovada em 2018 possui vários artigos como por exemplo:

Artigo 11, número 2, que proíbe a discriminação pela orientação sexual, identidade de gênero, por ter HIV.

Artigo 19, que proíbe a discriminação na mídia.

Artigo 66 numeral 9 que garante tomar Decisões livres e informadas sobre a orientação sexual.

Artígo 66 que reconhece as famílias em seus diferentes tipos.

Artígo 68 que reconhece as reuniões de fato.

Artígo 424 que declarar que a Constituição e os tratados internacionais ratificados pelo Equador prevalecem sobre qualquer outra regulação.

O código integral penal sanciona delitos de discriminação (art. 176) e de ódio (art. 177)

Existe uma reunião de fato desde 2008 e as registradas em cartório desde 2009. O matrimônio igualitário aprovou-se em 2019.

Como sentença de 12 de junho de 2018 a corte constitucional em função do caso de consulta de Efrain Soria e Javier Benalcazar aprova o acesso ao matrimônio a pessoas do mesmo sexo.

Equador não conta com uma lei contra discriminação. .


A situação do HIV em Equador, assim como o resto da América Latina, apresenta uma epidemia concentrada em homens que fazem sexo com outros homens com uma prevalência do 16% em Quito e o 11% em Guayaquil. Não existe um dado total do país em forma geral.

Em Equador não existem políticas de prevenção de HIV dirigidas à nossa população. O Ministério de saúde pública tem feito um grande investimento no atendimento à infecção por HIV, mas o Estado em geral tem sido negligente no campo da prevenção, mesmo que os homens gays e a comunidade LGBTI+ gozam de uma igualdade em termos formais, a igualdade real, ou seja o dia dia da comunidade ainda apresenta uma brecha muito grande, Que promove um alto nível de clandestinidade sobre as relações sexuais e um investimento inexistente em matéria de prevenção.

No Equador todas as pessoas com diagnóstico positivo de HIV podem acessar aos serviços de saúde e obter o seu tratamento antirretroviral.

Em matéria de HIV, Equador conta com regulações que protegem as pessoas vivendo com o HIV, porém a realidade ainda é muito diferente. Existe uma grande desinformação sobre o tema na cidadania, que leva a manter ainda 30 anos depois de ser descoberta a epidemia, os mesmos mitos, tabus e estereótipos em relação ao HIV e as pessoas afetadas pelo vírus. Lastimosamente o sistema de proteção de direitos não tem garantido o aproveitamento destes para as PVV, Não existem programas de educação sexual no sistema educativo, tem empresas que ainda solicitam o teste de HIV os postulantes, foto que está proibido pela Constituição

O atendimento médico às pessoas com HIV e onde existe maior investimento, porém, os esforços ainda não são suficientes: o acesso ao teste e a um diagnóstico oportuno não está ao alcance, o panorama de estigma e discriminação e tão alto que pessoas que vivem com HIV não podem evidenciar a sua condição de saúde. As leis que protegem as pessoas com HIV neste país estão somente no papel: é necessária a implementação de políticas de proteção e uma verdadeira inclusão social. Respeito ao atendimento ao HIV, o estado equatoriano tem realizado o seus melhores esforços em garantir o acesso ao atendimento médico e tratamento de ARVs para as PVV. Equador investir quase 25 milhões de dólares americanos para o atendimento. Porém, em prevenção uso as forças do estado são deficientes e em alguns casos inexistentes: as únicas campanha em termos de prevenção tem sido dirigido às mulheres grávidas onde a prevalência é de 0,40%. O acesso a insumos como camisinha, lubrificantes, PrEP (profilaxia pré-exposição) ou PEP (profilaxia pós-exposição) são escassos. Não existem programas de educação e sensibilização.


Organização colaboradora de GayLatino:

FUNDACIÓN ECUATORIANA EQUIDAD

Datos de contacto: EFRAÍN SORIA ALBA

Dirección,AV 6 DE DICIEMBRE N 24 253 Y LIZARDO GARCIA

teléfonos: 593 2 22 22 385 - 593 996671112

Email : coordinacion@fequdiadecuador.org y sitio web. www.fequidadecuador.org